Mercado doméstico de milho deve ter terça-feira de preços inalterados

197
milho

Porto Alegre, 9 de julho de 2024 – O mercado brasileiro de milho deve ter uma terça-feira com preços inalterados. Apostando em quedas no curto prazo por conta da evolução da colheita da safrinha, os consumidores seguem mostrando conforto em relação aos estoques. No cenário internacional, a Bolsa de Mercadorias de Chicago opera em alta, tentando buscar recuperação frente as perdas de cerca de 4% da sessão anterior. O dólar, por sua vez, opera em queda.

O mercado brasileiro do milho apresentou preços mais baixos nesta segunda-feira. Segundo o consultor de Safras & Mercado, Paulo Molinari, o mercado esteve lento. A forte baixa na Bolsa de Chicago com clima bom nos Estados Unidos e o câmbio acomodado no Brasil não ajudou a sustentar preços no porto (para exportações) e a liquidez interna, comentou.

Além disso, a colheita da safrinha está a pleno vapor e o milho safrinha atende os consumidores. Faltam argumento de alta, salienta Molinari.

No Porto de Santos, o preço ficou entre R$ 58,50/63,00 (compra/venda) a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 58,00/62,00 (compra/venda) a saca.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 53,00/55,00 (compra/venda) a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 52,00/53,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 58,00/59,00 a saca.

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 64,00/65,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 52,00/53,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 43,00/45,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 38,00/42,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos com entrega em dezembro de 2024 operam com avanço de 1,25 centavo, ou 0,30%, cotados a US$ 4,09 por bushel.

* O mercado é sustentado por um movimento de recuperação técnica frente as perdas expressivas registradas na sessão anterior, quando caiu mais de 4%. Por outro lado, a expectativa de uma oferta abundante e as melhores condições das lavouras nos Estados Unidos limitam um avanço significativo das cotações.

* O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de milho. Segundo o USDA, até 7 de julho, 68% estavam entre boas e excelentes, 23% em situação regular e 9% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana, era, 67%, 24% e 9%, respectivamente.

* Ontem (8), os contratos de milho com entrega em setembro de 2024 fecharam a US$ 3,93 1/4 por bushel, baixa de 17,25 centavos de dólar, ou 4,20%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2024 fechou a sessão a US$ 4,07 3/4 por bushel, recuo de 16,25 centavos de dólar, ou 3,83%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra baixa de 0,53%, em R$ 5,4447. O Dollar Index registra valorização de 0,08% a 105,09 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam com preços firmes. Xangai, + 1,26%. Japão, + 1,96%.

* As principais bolsas na Europa operam com índices fracos. Paris, -1,35%. Frankfurt, -1,12%. Londres, -0,51%.

* O petróleo opera em baixa. Agosto do WTI em NY: US$ 82,19 o barril (-0,17%).

AGENDA

– Dados sobre as lavouras do Paraná – Deral, na parte da manhã.

– Japão: A leitura do índice de preços ao produtor de junho será publicada às 20h50 pelo BOJ.

– China: A leitura do índice de preços ao consumidor de junho será publicada às 22h30 pelo departamento de estatísticas.

– China: A leitura do índice de preços ao produtor de junho será publicada às 22h30 pelo departamento de estatísticas.

—–Quarta-feira (10/07)

– O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga, às 9h, o IPCA e INPC referentes a junho.

– OPEP: O relatório mensal de petróleo será publicado às 9h pela OPEP.

– EUA: A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 11h30 pelo Departamento de Energia (DoE).

– EUA: O Livro Bege, um relatório da atual situação econômica dos principais distritos norte-americanos, será divulgado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) às 15h.

– O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) anuncia, às 16h, os dados de embarques no fechamento do ano safra 2023/24, bem como os números referentes a junho e ao primeiro semestre deste ano.

—–Quinta-feira (11/07)

– Reino Unido: A produção industrial de maio será publicada às 3h pelo departamento de estatísticas.

– Reino Unido: O saldo da balança comercial de maio será publicado às 3h pelo departamento de estatísticas.

– Reino Unido: A leitura do PIB de maio será publicada às 3h pelo departamento de estatísticas.

– Alemanha: A leitura revisada do índice de preços ao consumidor de junho será publicada às 3h pelo Destatis.

– AIE: O relatório mensal de petróleo será publicado pela AIE.

– O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga, às 9h, o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola referente a junho.

– Atualização da estimativa de safra de grãos brasileira – Conab, 9h.

– EUA: A leitura do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de junho será publicada às 9h30 pelo Departamento do Trabalho.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 9h30.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados de desenvolvimento das lavouras no RS – Emater, na parte da tarde.

– Relatório de condições das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (12/07)

– EUA: A leitura do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) de junho será publicada às 9h30 pelo Departamento do Trabalho.

– Intenção de Plantio para soja, milho, algodão, arroz e feijão e estimativa para a safra de trigo do Brasil – Safras & Mercado, 12h.

– Relatório de julho de oferta e demanda mundial e norte-americana (Wasde) – USDA, 13h.

– Dados de evolução das lavouras do Mato Grosso – IMEA, 16h.

Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Safras News

Copyright 2024 – Grupo CMA