Aversão ao risco pressiona forte queda da soja em Chicago

182

Porto Alegre, 5 de julho de 2022 – Os contratos futuro da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços acentuadamente mais baixos. Em dia de forte aversão ao risco, com temor de recessão global, o grão voltou a acelerar as perdas nos últimos negócios. O petróleo despencou em Nova York e em Londres. As fracas inspeções de exportação dos Estados Unidos também influenciaram negativamente. A elevação do dólar frente a outras moedas completou o quadro negativo.

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 354.987 toneladas na semana encerrada no dia 30 de junho, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Na semana anterior, as inspeções de exportação de soja haviam atingido 475.556 toneladas. Em igual período do ano passado, o total inspecionado fora de 219.235 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1o de setembro, as inspeções somam 51.735.043 toneladas, contra 57.584.542 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.

Os contratos da soja em grão com entrega em agosto fecharam com baixa de 70,50 centavos de dólar por bushel ou 4,66% a US$ 14,39 1/4 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 13,16 por bushel, com recuo de 79,25 centavos ou 5,67%.

Nos subprodutos, a posição agosto/22 do farelo fechou com baixa de US$ 11,70 ou 2,77% a US$ 410,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em agosto fecharam a 59,62 centavos de dólar, baixa de 4,81 centavo ou 7,46%.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2022 – Grupo CMA