Semestre tem resultado histórico para exportações de carne bovina, diz Abiec

275
carne

Porto Alegre, 5 de julho de 2024 – O Brasil obteve o melhor resultado de primeiro semestre já observado no histórico das exportações de carne bovina. Os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) foram compilados e analisados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

De acordo com o relatório, no acumulado do primeiro semestre de 2024, as exportações de carne bovina somaram 1,29 milhão de toneladas, um aumento de 27,3% comparado ao mesmo período de 2023 (1,019 milhão de toneladas), o que resultou em um faturamento de US$ 5,69 bilhões – aumento de 17%, frente ao primeiro semestre de 2023 –, valor superado apenas no ano de 2022, quando os resultados do primeiro semestre somaram mais de US$ 6,19 bilhões, em um cenário de pandemia.

Em junho de 2024, as exportações foram de 220.184 toneladas, movimentando US$ 953,09 milhões, um resultado ligeiramente menor que nos dois meses anteriores, quando foi registrado recorde nos embarques.

Resultados por país

Os países que mais importaram carne bovina do Brasil, em 2024, foram: China – que adquiriu 565.654 toneladas por US$ 2,5 bilhões, com crescimento de 10,2% no volume. Na sequência, vieram Emirados Árabes Unidos, que importaram quase 95 mil toneladas (aumento de 238% comparado ao primeiro semestre de 2023) e US$ 435 milhões; Estados Unidos, com importações de 85.395 toneladas (alta de 19,7%) e faturamento de US$ 515 milhões.

Na quarta posição está Hong Kong, destino de 61 mil toneladas de carne brasileira (alta de 10,6%) e faturamento de US$ 196 milhões, seguido por Chile (compras de 48.726 toneladas – aumento de 9,4%) e US$ 229 milhões.

A carne bovina in natura representou, neste mesmo período, 87,7% do volume embarcado pelo Brasil (total de 1,13 milhão de toneladas). A maior parte da carne bovina in natura exportada pelo Brasil é sem osso, representando 88% do total. Já a carne com osso ainda possui acesso limitado em alguns países, por necessidade de alterações de certificados entre os países. O maior mercado neste ano para carne com osso foi a Malásia, que comprou 2.168 toneladas, seguido por Paraguai, com 1.542 toneladas, Marrocos (905 toneladas), Angola (619 toneladas) e Singapura (467 toneladas).

De acordo com o presidente da Abiec, Antônio Jorge Camardelli, o Brasil segue firme na liderança mundial de exportações de carne bovina e o setor trabalha ativamente, em ampla parceria público-privada, especialmente com o Mapa e a ApexBrasil, na abertura de novos e consolidação dos mercados já existentes. “Atualmente, a carne brasileira já está presente em 158 mercados, mas ainda temos margem para penetrar em países como Japão, Coreia do Sul, Vietnã e Turquia, que representam cerca de 25% da demanda mundial por carne bovina”, pondera Camardelli, que destacou os diversos eventos e outras agendas internacionais para a divulgação do produto, através do projeto Brazilian Beef. Para o segundo semestre, o cronograma do Brazilian Beef inclui ações, como participação em missões, feiras de promoção, congressos e eventos da agenda climática e ambiental e eventos específicos para promoção da carne bovina brasileira.

As informações partem da assessoria de imprensa da Abiec.

Acompanhe a Safras News em nosso site. Siga-nos também no InstagramTwitter e SAFRAS TV e fique por dentro das principais notícias do agronegócio!

Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Safras News

Copyright 2024 – Grupo CMA