Mercado brasileiro de milho deve encerrar semana com dinâmica de negócios inalterada

267
milho

Porto Alegre, 17 de maio de 2024 – O mercado brasileiro de milho deve encerrar a semana com cautela nos negócios. A dinâmica doméstica deve permanecer a mesma das últimas semanas, com produtores e consumidores afastados das negociações, avaliando os principais formadores de preço do cereal. Maiores movimentações poderão ser vistas em caso de mudanças climáticas e variação nos preços dos futuros e no câmbio. No cenário internacional, a Bolsa de Mercadorias de Chicago registra alta e o dólar cai frente ao real.

O mercado brasileiro de milho manteve cotações estáveis nesta quinta-feira. Segundo a Safras Consultoria, a dinâmica do mercado brasileiro seguiu inalterada no decorrer desta quinta-feira. Os consumidores estão adotando postura comedida nas compras, apostando em preços mais fracos em breve por conta da safrinha. Além disso, sinalizam tranquilidade em relação a estoques. Por outro lado, os produtores vêm diminuindo a fixação de oferta ao longo da semana em algumas localidades do país, como é o caso de São Paulo, com especulações em torno do clima, movimento recente dos futuros e câmbio.

No Porto de Santos, o preço ficou entre R$ 59,50/62,00 (compra/venda) a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 59,00/64,00 (compra/venda) a saca.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 57,00/59,00 (compra/venda) a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 56,00/58,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 62,00/64,00 a saca.

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 63,50/65,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 50,00/52,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 46,00/48,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 40,00/42,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos com entrega em julho de 2024 operam com alta de 0,75 centavo, ou 0,16%, cotados a US$ 4,57 3/4 por bushel.

* O cereal é sustentado pelos cortes na oferta da América do Sul, principalmente na Argentina e no Brasil. Os ganhos são limitados, contudo, por um cenário externo mais favorável, com o dólar subindo frente a outras moedas, o petróleo caindo em Nova York e as bolsas europeias em baixa, juntamente com sinais de um melhor clima para o desenvolvimento das lavouras nos Estados Unidos.

*Ontem (16), os contratos de milho com entrega em julho de 2024 fecharam a US$ 4,57 por bushel, baixa de 5,50 centavos de dólar, ou 1,18%, em relação ao fechamento anterior. A posição setembro de 2024 fechou a sessão a US$ 4,67 3/4 por bushel, recuo de 5,50 centavos de dólar, ou 1,16%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial registra baixa de 0,16% a R$ 5,1217. O Dollar Index registra valorização de 0,26% a 104,74 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam com preços mistos. Xangai, + 1,01%. Japão, -0,34%.

* As principais bolsas na Europa operam com índices fracos. Paris, -0,50%. Frankfurt, -0,22%. Londres, -0,31%.

* O petróleo opera em alta. Junho do WTI em NY: US$ 79,75 o barril (+0,65%).

AGENDA

– Dados de evolução das lavouras do Mato Grosso – IMEA, 16h.

Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Safras News

Copyright 2024 – Grupo CMA