Capacidade de carga dos misturadores de ração merece atenção do pecuarista, diz Siltomac

488

Porto Alegre, 3 de junho de 2024 – A nutrição de bovinos, seja ela em confinamento, semiconfinamento ou TIP (Terminação intensiva a pasto) é algo que necessita ser altamente eficiente para garantir o fornecimento dos alimentos aos animais no momento certo, da maneira precisa, para consequentemente contribuir com ganho de peso. Para que esse manejo seja bem executado, equipamentos como os misturadores de ração são essenciais na operação, portanto a escolha deve ser planejada. O problema é que é justamente neste momento que muitos pecuaristas estão perdendo dinheiro ao comprar equipamentos considerando apenas capacidade volumétrica, sem se atentar ao mais importante: a capacidade de carga deles, que muitas vezes é baixa.

Para entender melhor o que ocorre, é preciso saber a diferença entre capacidade de carga e a volumétrica. A capacidade de carga (toneladas) é o peso máximo que algo pode carregar. Por exemplo, um elevador pode ter uma capacidade de carga de 1 tonelada, o que significa que ele pode transportar até 1.000 quilos de pessoas e objetos de uma vez. A capacidade volumétrica (m³) é o espaço interno que algo pode ser preenchido. Por exemplo, uma caixa pode ter uma capacidade de 1 metro cúbico, que é o espaço que uma grande quantidade de objetos pode ocupar dentro dela.

Ao não ter clara essa distinção, muito produtor acaba se enganando na hora de escolher o misturador de ração. De acordo com a engenheira mecânica, Mariana Rodrigues, Diretora de Operações e Marketing da Siltomac, há misturadores no mercado que são oferecidos com capacidade de volume de 29 metros quadrado. Contudo, quando se analisa a parte técnica, o limite de carga é de apenas 11 toneladas.

Para quem utiliza ração farelada na dieta (que é mais densa), este é um problema, pois o pecuarista não chegará naquele volume destacado pelo fabricante e irá esbarrar na capacidade de carga. “Por outro lado, se a dieta fornecida for somente com volumoso, aí sim faz sentido levar em conta a capacidade volumétrica que limitará a carga máxima do insumo”, detalhou a profissional.

De acordo com Luís Henrique Rissatto Filho, Coordenador de Marketing da Siltomac, o que se tem observado principalmente nas últimas feiras, eventos e encontros técnicos com produtores, é que a cada ano cresce a demanda e necessidade por equipamentos maiores. Esse interesse é tanto em capacidade de volume, quanto de carga na aplicação de confinamentos para proporcionar maior produtividade. As informações são da Siltomac.

Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Safras News

Copyright 2024 – Grupo CMA