Brasil é o principal foco de investimentos da Bayer no mundo

1430

Porto Alegre, 3 de março de 2023 – O Brasil é o principal foco de investimento da Bayer. Considerando o potencial de crescimento de área e produção de soja e milho, a multinacional alemã do setor agroquímico vê o país como um mercado-chave para seus negócios.

Em 2022, a Bayer investiu 2,88 bilhões de euros em pesquisa e desenvolvimento no mundo. Em 2021, foram 2 bilhões. Conforme a empresa, suas duas principais concorrentes investem cerca de 1 bilhão de euros ao ano no segmento.

Segundo o diretor dos negócios de soja e algodão da Bayer no Brasil, Fernando Prudente, os Estados Unidos são o primeiro mercado da Bayer. O Brasil é o segundo, “com chance de ultrapassar”, considerando que é o maior produtor e exportador de soja, e que a demanda chinesa pela oleaginosa brasileira segue aparecendo nas projeções como uma oportunidade. O mercado de químicos e sementes para a soja movimentou US$ 11 bilhões em 2021 no Brasil.

Salto de produtividade

Nos últimos trinta anos, a produtividade da soja brasileira saltou de 30 para 60 sacas por hectare, graças a inovações tecnológicas. Prudente acredita que a Bayer, “assim como as demais empresas”, teve papel fundamental para que se alcançasse esse rendimento.

“Mas essa jornada só foi possível graças ao marco regulatório que, de 1995 em diante, trouxe segurança jurídica e defesa da propriedade intelectual”, disse ele. Essa é uma pauta cara à empresa, considerando os montantes e o tempo investidos nas tecnologias. A líder de biotecnologia da Bayer na América Latina, Paula Antunes, observou que se leva de 12 a 15 anos desde a descoberta de uma molécula até o seu lançamento no mercado.

A expectativa dos dirigentes é de mais um salto de produtividade em 2023. E a Bayer deve ter participação relevante com sua nova tecnologia. As moléculas da Bayer estão presentes em 85% das sementes comercializadas no mercado brasileiro.

No ano passado, conforme Prudente, as sementes com tecnologia Bayer apresentaram produtividades 3,1 sacas por hectare superiores à concorrência. Mas os resultados não são baratos. A rentabilidade depende de quanto se investe e de quanto se produz, por isso os produtores buscam aumentar a produtividade e reduzir custos. O dirigente salienta que a tecnologia contribui com a primeira parte.

Em 2022/23, a rentabilidade do sojicultor de Sorriso, no Mato Grosso, apresentou queda, ao passo que a receita aumentou. Isso porque os custos dispararam em mais de 21%. É importante destacar que parte disso deve-se à guerra na Ucrânia, que fez com que os preços dos fertilizantes disparassem no mundo. Outra parte, no entanto, é reflexo do preço pago por novas tecnologias.

América Latina

A Bayer domina o mercado de defensivos agrícolas na América Latina. No ano passado, as vendas da divisão agrícola global da empresa somaram 25,17 bilhões de euros. Na América Latina, foram 7,55 bilhões. O valor representa 29% do faturamento global da empresa e 80% do mercado latino.

Os fungicidas são os produtos mais vendidos da Bayer. O Fox X Pro detém mais de 25% do market share. O resultado foi alcançado pouco mais de 2 anos após seu lançamento em 2019.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2023 – Grupo CMA