Preços do café devem subir no Brasil, seguindo NY e dólar

301

     Porto Alegre, 26 de agosto de 2021 – Os preços do café deverão subir nas principais praças do país nesta quinta, acompanhando a trajetória positiva dos contratos futuros em Nova York e a valorização do dólar frente ao real. A movimentação deve ganhar força, mas limitada pela retração do vendedor.

     O mercado apresentou preços estáveis na quarta-feira. A queda do dólar foi compensada pelos ganhos do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O dia foi calmo na comercialização no país, apenas com algumas indústrias de consumo interno aparecendo mais para as negociações.

     No sul de Minas Gerais, o café arábica bebida boa com 15% de catação terminou o dia em R$ 1.050,00/1.060,00 a saca, estável. No cerrado mineiro, arábica bebida dura com 15% de catação teve preço de R$ 1.060,00/1.070,00 a saca, inalterado.

     Já o café arábica “rio” tipo 7 na Zona da Mata de Minas Gerais, com 20% de catação, teve preço de R$ 870,00/880,00 a saca, estável. O conilon tipo 7 em Vitória, Espírito Santo, ficou em R$ 665,00/670,00, cotação inalterada.

COLHEITA

* A colheita de café da safra brasileira 2021/22 está em 96% até o dia 24 de agosto. O número faz parte do levantamento semanal de SAFRAS & Mercado para a evolução da colheita da safra. Na semana anterior, a colheita estava em 92%.

* Tomando por base a estimativa de SAFRAS para a produção de café do Brasil em 2021/22, de 56,5 milhões de sacas de 60 quilos, é apontado que foram colhidas 53,99 milhões de sacas até o dia 24 de agosto.

* A colheita está no mesmo nível de igual período do ano passado (96%). Os trabalhos também estão em linha com a média dos últimos 5 anos, que é de 96%.

* Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Gil Barabach, a colheita de café mantém a boa cadência da última semana. “O tempo seco junto ao interesse do produtor em terminar colheita e secagem antes da chegada das chuvas em setembro explica a dinâmica mais acelerada nessa reta final dos trabalhos no Brasil”, avalia.

* A colheita de arábica avançou a 93% da produção. Ainda abaixo de igual época do ano passado e da média histórica para o período, ambos em 95%. “Os sinais preliminares indicam uma safra de boa bebida e peneira, o que compensa em parte o volume mais baixo. Esse perfil de safra também tem implicação sobre a oferta de bebidas mais fracas, que ganham valor diante da menor disponibilidade”, comenta Barabach. Os trabalhos com conilon já estão encerrados.

NOVA YORK

* Os contratos com entrega em dezembro registram valorização de 0,45%na Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE), cotados a 187,20 centavos de dólar por libra-peso.

* A posição dezembro/2021 fechou a quarta-feira a 186,35 centavos, ganho de 0,60 centavo, ou de 0,3%.

CÂMBIO

*O dólar comercial registra alta de 0,47% a R$ 5,236. O Dollar Index registra ganho de 0,17% a 92,99 pontos.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai, -1,09%. Tóquio, +0,06%.

* As principais bolsas na Europa registram índices em baixa. Paris, -0,27%. Londres, -0,21%.

* O petróleo opera em baixa. Outubro do WTI em NY: US$ 67,58 o barril (-1,15%).

AGENDA

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (27/08)

– O IBGE divulga às 9h os dados sobre o índice de preços ao produtor referentes a julho.

– O Ministério da Economia divulga os dados sobre os empregos criados ou perdidos pela economia (Caged) em julho. 

– Atualização da evolução das lavouras argentinas e levantamento mensal – Ministério da Agricultura, na parte da manhã.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA