Preços da arroba do boi têm alta explosiva em novembro

396

    Porto Alegre, 03 de dezembro de 2021 – O mercado físico de boi gordo registrou preços acentuadamente mais altos em novembro. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a oferta de animais terminados, prontos para o abate, permanece restrita, explicando o explosivo movimento de alta dos preços do boi gordo nas últimas semanas. “Em pouco mais de 30 dias, a arroba do boi gordo apresentou alta superior a R$ 70 em alguns estados”, assinalou Iglesias.

     Porém, os frigoríficos passaram a indicam uma posição de maior conforto em suas escalas de abate, que atendem em média entre cinco e sete dias úteis. Assim, o movimento de alta nos preços da arroba começou a apresentar sinais de esgotamento, havendo necessidade que ocorra algum fato novo para justificar nova rodada de reajustes.

    “Já o mercado doméstico não parece suportar preços ainda mais acentuados da carne bovina no varejo. Outro aspecto é que as exportações brasileiras de carne bovina apresentam desempenho medíocre, ainda por contando da ausência da China nas importações. Não há indicativo de novo credenciamento para a carne bovina brasileira. É bastante possível que isso ocorra apenas em 2022”, assinalou Iglesias.

     Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 02 de dezembro:

* São Paulo (Capital) – R$ 325,00 a arroba, ante R$ 310,00 na comparação com o dia 29 de outubro, disparando 27,35%.

* Minas Gerais (Uberaba) – R$ 330,00 a arroba, contra R$ 249,00 (+32,5%).

* Goiânia (Goiás) – R$ 320,00 a arroba, contra R$ 245,00 (+30%).

* Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 320,00 a arroba, contra R$ 260,00 (+23%).

* Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 310,00 a arroba, contra R$ 243,00 a arroba (+27,6%).

Exportação

    As exportações de carne bovina fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 399,576 milhões em novembro (19 dias úteis), com média diária de US$ 21,030 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 81,174 mil toneladas, com média diária de 4,272 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.922,40.

    Em relação a novembro de 2020, houve perda de 43,05% no valor médio diário da exportação, queda de 49,06% na quantidade média diária exportada e valorização de 11,81% no preço médio. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior.

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) – Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA